quinta-feira, 23 de abril de 2015

Brasil cumpre apenas 2 de 6 metas mundiais para a educação, diz Unesco

Só um terço dos países atingiram objetivos para período 2000 a 2015. Inep contesta números e diz que país avançou no acesso à educação.
Um relatório divulgado nesta quarta-feira (8) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), mostra que somente um terço dos países alcançou todas as seis metas de educação estabelecidas há 15 anos para o período de 2000 a 2015. Segundo o relatório, o Brasil chegou a duas dessas metas: universalizar o acesso à educação primária (1ª ao 5 ano do ensino fundamental) e atingiu a meta da igualdade de gênero, levando meninos e meninas às aulas em grande proporção.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), autarquia do Ministério da Educação, constesta os números e vê grandes avanços no acesso à educação na pré-escola, no ensino profissionalizante e no combate ao analfabetismo.
As metas foram estabelecidas na Cúpula Mundial de Educação, em Dakar, no Senegal, com 164 países, ocorridas em 2000. O objetivo global era que todos os países pudessem chegar a 2015 tendo cumprido as seis metas abaixo:
META 1 - PRIMEIRA INFÂNCIA
Expandir a educação e os cuidados na primeira infância, especialmente para as crianças mais vulneráveis. Entre os países, 47% alcançaram o objetivo e outros 80% quase conseguiram. Segundo a Unesco, o Brasil não atingiu a meta. O Inep contesta.
META 2 - EDUCAÇÃO PRIMÁRIA
Alcançar a educação primária universal, particularmente para meninas, minorias étnicas e crianças marginalizadas. Objetivo foi alcançado por 42% dos países. O Brasil cumpriu.
META 3 - JOVENS E ADULTOS
Garantir acesso igualitário de jovens e adultos à aprendizagem e a habilidades para a vida. Unesco diz que 46% dos países atingiram. O Brasil não.
META 4 - ANALFABETISMO
Alcançar uma redução de 50% nos níveis de analfabetismo de adultos até 2015. Apenas 25% dos países atingiram. O Brasil não atingiu, segundo a Unesco.
META 5 - MENINOS E MENINAS
Alcançar a paridade e a igualdade de gênero. Unesco diz que 69% dos países atingiram meta na educação primária e 48% no ensino médio. O Brasil atingiu.
META 6 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
Melhorar a qualidade de educação e garantir resultados mensuráveis de aprendizagem para todos. De acordo com o relatório, faltam 4 milhões de professores no mundo. Brasil não atingiu esta meta.
saiba mais
No Brasil, 75% das adolescentes que têm filhos estão fora da escola
Veja histórias de professores que desistiram da profissão e quem ama a docência
Apenas 57 países alcançaram os seis objetivos. O Brasil alcançou as metas 2 e 5. "O Brasil faz esforço grande para expandir o ensino público de educação infantil mas ainda precisa avançar mais para cumprir essa meta", diz a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Rebeca Otero, em relação à meta 1.
Inep contesta números
Chico Soares, presidente do Inep, contesta. "Em 2002 tínhamos 3 mil creches públicas. Hoje temos 35 mil. Nos comprometemos a expandir e melhorar. Implantamos políticas públicas e trouxemos a educação para o centro dessas políticas. De onde a Unesco tirou que não cumprimos a meta?", questiona.
Sobre o acesso de jovens e adultos ao ensino (meta 3), a Unesco vê progressos nos programas de educação tecnológica, como o Pronatec, mas precisa ainda melhorar o índice de jovens matriculados no ensino médio. O Inep diz que o país dobrou o número de matrículas em cursos profissionalizantes de 2 milhões para 4 milhões.
A organização também vê o Brasil com um grande número de analfabetos e analfabetos funcionais (meta 4). "Avançamos em várias faixas etárias, somente para as pessoas acima de 60 anos a redução do analfabetismo foi mais discreta. O importante é que fechamos a porteira. Na faixa de 15 a 19 anos, apenas 1% dos jovens são analfabetos", diz Soares.
Sobre a meta 6, a Unesco vê uma a necessidade de uma maior valorização do professor no Brasil. O Inep diz que apresenta à sociedade de maneira transparente os resultados das políticas de educação por meio do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). "Caminhamos muito nos anos iniciais. Caminhamos menos no ensino médio. Temos coisas para fazer, tanto que fizemos o Plano Nacional da Educação."
Crianças fora da escola
Crianças do Paquistão têm aula em Islamabad (Foto: B.K. Bangash/AP)Crianças do Paquistão têm aula em Islamabad (Foto: B.K. Bangash/AP)
A educação no mundo ainda não é tratada da maneira como deveria, segundo a Unesco. A organização afirma que apesar de neste período 34 milhões de crianças terem tido acesso à educação, ainda há 58 milhões de crianças fora da escola no mundo e cerca de 100 milhões de crianças que não completarão a educação primária.
A desigualdade na educação aumentou, com os mais pobres e desfavorecidos carregando o maior fardo. As crianças mais pobres do mundo têm chances quatro vezes maiores de não frequentar a escola quando comparadas às crianças mais ricas do mundo, e cinco vezes maiores de não completar a educação primária.
Uma nova reunião mundial será realizada em maio na Coreia do Sul para traçar objetivos para o período de 2015 a 2030.

Fonte: G1, Paulo Guilherme - 09/04/2015
Extraído do site oficial da CNTE-Publicado em Quinta, 09 Abril 2015 11:47
 http://www.cnte.org.br/index.php/educacao-na-midia/14694-brasil-cumpre-apenas-2-de-6-metas-mundiais-para-a-educacao-diz-unesco.html

domingo, 5 de abril de 2015

Demandas da educação estão ficando em segundo plano

patria educadora post facebook
 
A redução de 30% no orçamento da Educação pelo governo federal aumenta o desafio de tirar do papel o Plano Nacional de Educação (PNE) e coloca em xeque as conquistas da categoria, que conseguiu vincular 10% do PIB para a educação na próxima década.
 
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE, entidade representativa de mais de 2,5 milhões de profissionais da educação básica pública no Brasil - defende a educação pública como direito inalienável da população brasileira. O corte de R$ 5,6 bilhões do orçamento do Ministério da Educação (MEC), dois meses depois de a Presidente Dilma lançar o novo lema do governo, “Brasil: Pátria Educadora”, revela que as demandas do setor estão ficando em segundo plano. 
 
A educação exige o cumprimento de todos os compromissos previamente assumidos para garantir a implementação do novo Plano Nacional de Educação, com a consolidação do Sistema Nacional de Educação e as políticas e ações de cooperação com estados e municípios, responsáveis diretos pelas matrículas de mais de 42 milhões de estudantes das escolas públicas do País.
 
fonte: CNTE