quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Sustentabilidade, Meio Ambiente Brasil e quatro países abrigam 70% do que resta de natureza intocada

por Deutsche Welle — publicado 03/11/2018

Estudo aponta que ainda há áreas livres dos impactos humanos em apenas um quarto da Terra, grande parte delas concentradas em cinco países

Mais de 70% da das últimas áreas de natureza selvagem intocadas do planeta estão localizadas em apenas cinco países, entre eles o Brasil, afirmaram cientistas nesta quarta-feira 31, chamando atenção para a insuficiente resposta de algumas dessas nações às mudanças climáticas.

Além do Brasil, Austrália, Canadá, Rússia e Estados Unidos compõem o grupo de cinco países, segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Queensland e da Wildlife Conservation Society (WCS), publicado na revista Nature. A pesquisa exclui áreas intocadas na Antártida e em alto mar que não estejam dentro de fronteiras nacionais.

No total, ainda há natureza selvagem intocada – áreas terrestres e marítimas praticamente não afetadas pela expansão da humanidade – em apenas um quarto do planeta. Elas são refúgio vital para milhares de espécies ameaçadas pelo desmatamento e pela pesca excessiva e fornecem alguns dos mais eficientes mecanismos de defesa contra eventos climáticos devastadores provocados pelas mudanças climáticas.

"Pela primeira vez, mapeamos áreas de natureza selvagem terrestres e marinhas e mostramos que não resta muito", afirmou James Watson, professor de ciência da conservação na Universidade de Queensland e principal autor do estudo.

"Um punhado de países abriga muito dessa terra intocada e eles têm uma grande responsabilidade de manter o que resta de natureza selvagem", alertou.

Os pesquisadores analisaram oito indicadores do impacto humano sobre a natureza, incluindo ambientes urbanos, terras agrícolas e projetos de infraestrutura. Em relação aos oceanos, eles usaram dados sobre pesca, transporte industrial e derrame de fertilizantes para determinar que apenas 13% dos mares do planeta têm poucas ou nenhuma marca da atividade humana.

Donald Trump – presidente dos Estados Unidos, um dos cinco países do seleto grupo – anunciou que seu país vai deixar o Acordo de Paris sobre o clima, assinado por quase 200 países e cujo objetivo é conter o aquecimento global.

Tal passo também foi sinalizado pelo recém-eleito presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, cujas posições em relação ao meio ambiente vêm repercutindo no cenário nacional e internacional e preocupando ambientalistas.

Leia também:
As ameaças de Bolsonaro ao papel central do Brasil no meio ambiente
Comunidades internacional adverte para a ameaça bolsonarista

O capitão reformado do Exército também cogita uma fusão entre os Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura e, dois dias após o primeiro turno das eleições presidenciais, ele afirmou que pretende acabar com o "ativismo ambiental xiita" e também com a "indústria de demarcação de terras indígenas". Na ocasião, Bolsonaro falou em dar "retaguarda jurídica" aos produtores rurais, para que se defendam de invasões de terras.

Na Rússia, vastas áreas de floresta de taiga e permafrost contêm trilhões de árvores que absorvem gás carbônico da atmosfera, atenuando os impactos das emissões de gases do efeito estufa. O governo russo, no entanto, tem sido vago quanto a seus compromissos em relação ao meio ambiente e o presidente  Vladimir Putin sugeriu no ano passado que as mudanças climáticas não são causadas pelo ser humano.

O mapeamento das áreas de natureza selvagem faz "soar os alarmes" da comunidade internacional, diz Watson. Devido ao consumo de combustíveis fósseis, madeira e carne, assim como à explosão populacional, somente 23% da Terra estão livres dos impactos da agricultura e da indústria, ressalta.

Há um século, as áreas intocadas correspondiam a 83% do planeta. Entre 1993 e 2009, uma área de natureza selvagem do tamanho da Índia foi perdida devido à ocupação humana, à agricultura e à mineração.

Os pesquisadores pediram mais leis para proteger áreas intocadas e incentivar a conservação ambiental. "É preciso que as nações legislem e não deixem a indústria entrar [nessas áreas]. A natureza precisa de uma pausa", afirmou Watson. "Acho que o mundo gostaria que esses [cinco] países dissessem que vão cuidar desses lugares."

O novo estudo foi divulgado na mesma semana em que o WWF alertou que as populações de animais do planeta diminuíram 60% desde 1970, devido sobretudo à ação humana. Watson e seus colegas da Universidade de Queensland e da WCS afirmam que as áreas de natureza selvagem da Terra estão passando pela "mesma crise de extinção que as espécies".

CARTA CAPITAL

LINK:
https://www.cartacapital.com.br/sustentabilidade/brasil-e-quatro-paises-abrigam-70-do-que-resta-de-natureza-intocada

terça-feira, 12 de maio de 2015

CNTE se posiciona sobre documento "Pátria Educadora: A Qualificação do Ensino Básico como Obra de Construção Nacional"


Veja a avaliação da CNTE sobre o documento elaborado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE): Pátria Educadora: A Qualificação do Ensino Básico como Obra de Construção Nacional - Versão Preeliminar - veiculado no dia 24 de abril de 2015.

Introdução

No último dia 24, a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE-
PR), comandada pelo Ministro Mangabeira Unger, lançou – sem anúncio prévio ao Ministério da Educação – minuta pública sobre o projeto que poderá embasar o lema do segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff: “Brasil, Pátria Educadora”.

O documento, aberto a críticas e sugestões da sociedade, pretende lançar as bases do Governo Federal sobre as políticas de reformulação da educação básica no país, sob quatro eixos: organização da cooperação federativa na educação; reorientação do currículo e da maneira de ensinar e aprender; qualificação e valorização de diretores e professores e; aproveitamento das novas tecnologias.

domingo, 3 de maio de 2015

Repúdio à truculência do governo Beto Richa, do Paraná!



A CTB Educação – RJ vem manifestar seu total repúdio ao cenário de guerra e massacre ocorrido no Paraná, neste último dia 29 de abril, quando professores e funcionários da rede estadual exerciam seu direito legítimo à manifestação e reivindicavam, pacificamente, em frente ao Centro Cívico de Curitiba, a suspensão da votação do PL, do governador Beto Richa, que altera a forma de custeio da previdência dos servidores, colocando em risco a sua aposentadoria.
Enquanto as mais de duas horas de ataques a bombas, balas de borracha, jatos d’água, cães treinados e cassetetes criavam uma situação de terror e feriam cerca de 200 pessoas, os deputados aprovavam, de forma tranquila, o Projeto de Lei, numa completa insensibilidade à violência indiscriminada que ocorria do lado de fora da Assembleia Legislativa. Até atiradores de elite lançaram balas de borracha de prédios do entorno do Centro Cívico, segundo o repórter da Band News que foi mordido por um pitbull, quando tentava filmar um deputado sendo mordido por um pastor alemão.
A gritante desproporcionalidade do confronto causou indignação em todo o país. A CTB Educação – RJ se solidariza com todos os profissionais do Paraná, se une à luta pelo respeito ao direito constitucional de manifestação e manutenção do Estado de Direito, e conclama toda a sociedade a expressar seu repúdio a atitudes truculentas e antidemocráticas como as que tomou o governador Beto Richa, do PSDB!

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Brasil cumpre apenas 2 de 6 metas mundiais para a educação, diz Unesco

Só um terço dos países atingiram objetivos para período 2000 a 2015. Inep contesta números e diz que país avançou no acesso à educação.
Um relatório divulgado nesta quarta-feira (8) pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), mostra que somente um terço dos países alcançou todas as seis metas de educação estabelecidas há 15 anos para o período de 2000 a 2015. Segundo o relatório, o Brasil chegou a duas dessas metas: universalizar o acesso à educação primária (1ª ao 5 ano do ensino fundamental) e atingiu a meta da igualdade de gênero, levando meninos e meninas às aulas em grande proporção.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), autarquia do Ministério da Educação, constesta os números e vê grandes avanços no acesso à educação na pré-escola, no ensino profissionalizante e no combate ao analfabetismo.
As metas foram estabelecidas na Cúpula Mundial de Educação, em Dakar, no Senegal, com 164 países, ocorridas em 2000. O objetivo global era que todos os países pudessem chegar a 2015 tendo cumprido as seis metas abaixo:
META 1 - PRIMEIRA INFÂNCIA
Expandir a educação e os cuidados na primeira infância, especialmente para as crianças mais vulneráveis. Entre os países, 47% alcançaram o objetivo e outros 80% quase conseguiram. Segundo a Unesco, o Brasil não atingiu a meta. O Inep contesta.
META 2 - EDUCAÇÃO PRIMÁRIA
Alcançar a educação primária universal, particularmente para meninas, minorias étnicas e crianças marginalizadas. Objetivo foi alcançado por 42% dos países. O Brasil cumpriu.
META 3 - JOVENS E ADULTOS
Garantir acesso igualitário de jovens e adultos à aprendizagem e a habilidades para a vida. Unesco diz que 46% dos países atingiram. O Brasil não.
META 4 - ANALFABETISMO
Alcançar uma redução de 50% nos níveis de analfabetismo de adultos até 2015. Apenas 25% dos países atingiram. O Brasil não atingiu, segundo a Unesco.
META 5 - MENINOS E MENINAS
Alcançar a paridade e a igualdade de gênero. Unesco diz que 69% dos países atingiram meta na educação primária e 48% no ensino médio. O Brasil atingiu.
META 6 - EDUCAÇÃO DE QUALIDADE
Melhorar a qualidade de educação e garantir resultados mensuráveis de aprendizagem para todos. De acordo com o relatório, faltam 4 milhões de professores no mundo. Brasil não atingiu esta meta.
saiba mais
No Brasil, 75% das adolescentes que têm filhos estão fora da escola
Veja histórias de professores que desistiram da profissão e quem ama a docência
Apenas 57 países alcançaram os seis objetivos. O Brasil alcançou as metas 2 e 5. "O Brasil faz esforço grande para expandir o ensino público de educação infantil mas ainda precisa avançar mais para cumprir essa meta", diz a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Rebeca Otero, em relação à meta 1.
Inep contesta números
Chico Soares, presidente do Inep, contesta. "Em 2002 tínhamos 3 mil creches públicas. Hoje temos 35 mil. Nos comprometemos a expandir e melhorar. Implantamos políticas públicas e trouxemos a educação para o centro dessas políticas. De onde a Unesco tirou que não cumprimos a meta?", questiona.
Sobre o acesso de jovens e adultos ao ensino (meta 3), a Unesco vê progressos nos programas de educação tecnológica, como o Pronatec, mas precisa ainda melhorar o índice de jovens matriculados no ensino médio. O Inep diz que o país dobrou o número de matrículas em cursos profissionalizantes de 2 milhões para 4 milhões.
A organização também vê o Brasil com um grande número de analfabetos e analfabetos funcionais (meta 4). "Avançamos em várias faixas etárias, somente para as pessoas acima de 60 anos a redução do analfabetismo foi mais discreta. O importante é que fechamos a porteira. Na faixa de 15 a 19 anos, apenas 1% dos jovens são analfabetos", diz Soares.
Sobre a meta 6, a Unesco vê uma a necessidade de uma maior valorização do professor no Brasil. O Inep diz que apresenta à sociedade de maneira transparente os resultados das políticas de educação por meio do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). "Caminhamos muito nos anos iniciais. Caminhamos menos no ensino médio. Temos coisas para fazer, tanto que fizemos o Plano Nacional da Educação."
Crianças fora da escola
Crianças do Paquistão têm aula em Islamabad (Foto: B.K. Bangash/AP)Crianças do Paquistão têm aula em Islamabad (Foto: B.K. Bangash/AP)
A educação no mundo ainda não é tratada da maneira como deveria, segundo a Unesco. A organização afirma que apesar de neste período 34 milhões de crianças terem tido acesso à educação, ainda há 58 milhões de crianças fora da escola no mundo e cerca de 100 milhões de crianças que não completarão a educação primária.
A desigualdade na educação aumentou, com os mais pobres e desfavorecidos carregando o maior fardo. As crianças mais pobres do mundo têm chances quatro vezes maiores de não frequentar a escola quando comparadas às crianças mais ricas do mundo, e cinco vezes maiores de não completar a educação primária.
Uma nova reunião mundial será realizada em maio na Coreia do Sul para traçar objetivos para o período de 2015 a 2030.

Fonte: G1, Paulo Guilherme - 09/04/2015
Extraído do site oficial da CNTE-Publicado em Quinta, 09 Abril 2015 11:47
 http://www.cnte.org.br/index.php/educacao-na-midia/14694-brasil-cumpre-apenas-2-de-6-metas-mundiais-para-a-educacao-diz-unesco.html

domingo, 5 de abril de 2015

Demandas da educação estão ficando em segundo plano

patria educadora post facebook
 
A redução de 30% no orçamento da Educação pelo governo federal aumenta o desafio de tirar do papel o Plano Nacional de Educação (PNE) e coloca em xeque as conquistas da categoria, que conseguiu vincular 10% do PIB para a educação na próxima década.
 
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE, entidade representativa de mais de 2,5 milhões de profissionais da educação básica pública no Brasil - defende a educação pública como direito inalienável da população brasileira. O corte de R$ 5,6 bilhões do orçamento do Ministério da Educação (MEC), dois meses depois de a Presidente Dilma lançar o novo lema do governo, “Brasil: Pátria Educadora”, revela que as demandas do setor estão ficando em segundo plano. 
 
A educação exige o cumprimento de todos os compromissos previamente assumidos para garantir a implementação do novo Plano Nacional de Educação, com a consolidação do Sistema Nacional de Educação e as políticas e ações de cooperação com estados e municípios, responsáveis diretos pelas matrículas de mais de 42 milhões de estudantes das escolas públicas do País.
 
fonte: CNTE

sábado, 14 de março de 2015

Movimentos sociais se reúnem na Cinelândia para defender a Petrobrás, o Brasil e a Democracia



Quase 10 mil pessoas se manifestaram, dia 13/3, na Cinelândia em favor da Petrobrás e da Democracia, convocados pela CUT, FUP CTB e MST. O ato contou com a participação de sindicalistas, integrantes do MST e partidos de esquerda.

Por todo o Brasil o povo diz não ao golpe, em SP foram 60 mil

Milhares de pessoas foram às ruas nesta sexta-feira (13), em todos os estados do país e no DF, para defender a democracia. Na cidade de São Paulo nem mesmo a forte chuva que caiu abalou os que chegavam à Avenida Paulista, palco de grandes atos políticos. Cerca de 60 mil manifestantes defenderam a Petrobras e a legalidade constitucional do mandato de Dilma Rousseff.


sexta-feira, 6 de março de 2015

Sinpro-Rio se prepara para o Ato em Defesa da Soberania Nacional

fotoOcorreu na noite de ontem, 02/03, na sede do Sinpro-Rio uma reunião, convocada pelo Ex-Ministro Roberto Amaral, com caráter suprapartidário, para discutir a conjuntura e debater a sustentação do Governo Dilma. Parlamentares, intelectuais, lideranças políticas e sindicais debateram a melhor forma de organizar o ato em defesa da soberania nacional no dia 13/3.

Assista o depoimento de Jandira Feghali, deputada federal (PCdoB) clicando aqui

fonte: sinpro-rio